quinta-feira, 25 de maio de 2017

SEMEADURA E COLHEITA

Como foi dito, o assunto dessa manhã é Semeadura e Colheita. 

Embora tenha o mesmo título do meu último livro, não é para ser encontrado no livro, pois esse livro é uma tentativa de interpretar algumas das passagens mais difíceis da Bíblia. Dou-lhe nos nove capítulos uma visão mística, e também uma certa abordagem de como você mesmo pode se aproximar da interpretação da Bíblia, que, como você sabe, não é um livro de história. E assim, quando me dei conta de significados mais profundos nas passagens do que aqueles normalmente atribuídos , comecei a vê-los ou a apreendê-los misticamente, e assim eu dei a você uma interpretação mística a muitas passagens mais escuras. 

Por exemplo, quando Salomão se fez uma carruagem da madeira do Líbano, ele fez por si mesmo - ninguém fez isso para ele. Isso é o que você deve fazer - isso é o que eu devo fazer - isso é o que todos devem fazer - e nesse capítulo, eu mostrei que a madeira não é madeira como você conhece a madeira. Isso significa que a madeira do Líbano é a mente incorruptível. Mas você faz isso por si mesmo, e mostramos-lhe os aspectos, como foram feitos e quais são os significados reais. 

Então nós tomamos aquela passagem muito estranha, a instrução aos discípulos para tirar seus sapatos ou não pôr sapato algum quando eles viajarem, e nós mostramos que a palavra "sapato" não é apenas a coisa que uso no meu pé; é o símbolo do espírito de 'deixe-me fazer isso por você'. Pois o sapato toma sobre si não só a sujeira e o barro que normalmente se depositam no pé do usuário, mas protege o usuário de qualquer contato com o mundo exterior, e assim qualquer um que se oferecer para fazer o que devemos fazer e que poderia faze-lo muito melhor que nós mesmos, está se oferecendo como nosso sapato, e se eu vou despertar espiritualmente devo fazê-lo por mim mesmo. 

Eu preciso tomar minha própria mente e controlá-la - tomar minha imaginação maravilhosa e realmente controlá-la e defini-la para fins nobres e não ter algum intermediário entre mim e Deus. Pois o Deus deste mundo é um Deus interno. Ele é aquela força inevitável que expressa nos fatos exteriores as tendências latentes da alma, e assim, se eu descobrir esse Deus não posso ter você fazendo meu trabalho. Eu não posso ter você comendo meu alimento espiritual e esperar crescer espiritualmente. Então essa é realmente a tentativa dos nove capítulos no livro "Semeadura e Colheita". 

Mas o assunto desta manhã eu quero abordá-lo de forma diferente. Esta declaração é tirada do Livro do Gênesis, capítulo 8. É uma promessa feita ao homem e diz que "enquanto a terra durar, sementeira e sega, e frio e calor, e verão e inverno, e dia e noite não cessarão". Dizem-nos que o homem foi colocado em um jardim - o jardim foi concluído - cada árvore estava dando frutos - tudo no mundo estava acabado - e ele foi colocado no jardim para arruma-lo e para mantê-lo. Ele não planta, ele não faz nada, só arruma-lo e mantê-lo. Ele não é chamado a fazer árvores ou a crescer árvores novas - tudo está terminado! 

Como nos foi dito em João: 'Eu vos enviei para colher o que não vos foi concedido' - porque a Criação está consumada. Cada drama humano concebível, cada pequeno enredo, cada pequeno plano no drama da vida já está elaborado, como meras possibilidades enquanto não estamos nelas, mas extraordinariamente reais quando estamos nelas. Assim, o homem pode entrar em contato com esse estado particular de sua escolha, pois minha imaginação pode me colocar em contato interiormente com o estado desejado para eu entrar nele. Se eu estou nele, vou perceber isso no meu mundo. Os estados nos quais nos encontramos são o tempo da semente. A colheita é simplesmente o encontro de eventos e circunstâncias da vida.

Mas a memória do homem é tão curta que ele esquece a semente, mas todos os fins correm para as origens, por isso, se a origem, digamos é desgraça, o fim será infortúnio. Mas quando você colhe o infortúnio, você se pergunta: 'Por que isso tinha que acontecer comigo? Quando eu fiz uma coisa como esta começar? Eu não dei aos pobres? Não fui ao serviço religioso? Não orei?... então por que essas coisas tem que acontecer?' Mas você vê que meu Deus nunca se esquece pois Ele sempre dá o fim em harmonia com a origem, e você e eu somos seletores: nós não fazemos; nós não somos criadores; - a criação está terminada, todo o vasto mundo da criação, como nos disse o Eclesiastes: 'Eu sou o princípio e o fim. Não há nada que venha que não tenha sido e seja'.

Portanto, olhe para a criação como terminada - e você e eu somos apenas seletores daquilo que é. Por seletores eu quero dizer que você e eu temos o privilégio (que podemos não exercer), mas é nosso privilégio selecionar esse aspecto da realidade a que responderemos, e ao responder, trazemo-lo à existência por nós mesmos. Não sabendo que somos tão privilegiados, simplesmente atravessamos o mundo refletindo as circunstâncias da vida, sem nos dar conta de que temos o poder de criar ou superar as circunstâncias da vida. 

Vamos agora analisar o que eu pessoalmente quero dizer por semeadura. Se tudo estiver terminado e completado, então por que há a promessa da semente e da colheita enquanto a terra permanecer? Então a semente, para aqueles que estão aqui esta manhã, como deveríamos realmente saber, não é literal. Nossa semente é aquele momento no tempo em que você e eu reagimos a qualquer coisa neste mundo. Pode ser a um objeto, pode ser a um indivíduo, pode ser a um fragmento de notícias que temos ouvido, mas o momento de reação, essa resposta emocional, é a nossa atitude. Nossas atitudes são as sementes da vida e, embora não nos lembremos da semente ou do momento da resposta, a natureza nunca esquece, e quando aparece de repente em nosso mundo, essa repentismo é apenas o surgimento de uma continuidade oculta. Foi contínua desde o momento da reação até que apareceu no mundo. 

Sua aparência no mundo é a colheita, para que eu e você possamos colher qualquer coisa que desejarmos, mas devemos primeiro ter uma semente. Deve-se preceder por um momento de resposta ou de atitude. Quantas vezes você diz: "Eu me aproximei dele na atitude errada" ou "ele está na atitude errada" ou "você deve mudar sua atitude se você quer progredir na vida". Eu disse-o - você o disse - talvez nós o dissemos um ao outro - mas nós sabemos a importância da atitude correta. Sabemos disso: que posso mudar minha atitude se as circunstâncias mudam - isso é automático. Sabemos que se alguma coisa acontecer de repente no meu mundo de que até aquele momento eu não estava ciente, eu, tornando-me consciente de uma mudança de circunstância automaticamente produziria em mim uma mudança de atitude. Todos nós fazemos isso, manhã, meio-dia e noite, mas isso não é importante, isso é um reflexo da vida. Noventa e nove por cento do mundo reflete a vida. 

Agora, posso conscientemente, posso voluntariamente, posso deliberadamente produzir em mim uma mudança de atitude, uma do meu próprio discernimento, uma que eu mesmo destacar, e não uma que é "determinada por" ou que de certa forma depender de um estímulo ou uma mudança no próprio objeto. Você deve mudar antes de mudar a minha atitude em relação a você? Sabemos que se você mudar eu mudarei minha atitude em relação a você, mas devo passar pela vida simplesmente refletindo essas mudanças nos objetos, e não posso deliberadamente determinar a mudança antes da mudança no objeto? 

Pois se eu posso, estou me movendo em direção ao controle total de meu destino e me tornando o mestre do meu destino se posso assumir uma atitude ativa e positiva e não depender de mudanças no objeto para mudanças em mim mesmo. Se eu posso fazer isso, eu realmente sou, se não um mestre completo, alguém com mais controle das circunstâncias da vida. Porém noventa e nove por cento do mundo espera que as coisas aconteçam no exterior e depois refletem; isso não é realização de jeito nenhum. Se nós despertássemos e nos tornássemos verdadeiros seletores da beleza deste jardim que Deus nos deu para que possamos destacar aquele aspecto particular ao qual iremos responder, então o fariamos mudando deliberadamente nossa atitude em relação à própria vida. 

Há uma pequena fábula que nos mostra como é feito. Se você a estudar cuidadosamente, verá a importância da imaginação. A fábula é a da raposa e as uvas. Vocês todos a conhecem. Quando não conseguiu obter as uvas, a raposa então se convenceu de que as uvas estavam azedas e, imaginando que as uvas eram azedas, evocava em si uma mudança de atitude. Já não sentia respeito às uvas o que antes sentia. É uma pequena fábula em um tom negativo ou trágico. Peguemos a mesma história, mas agora colocando-a em um tom positivo. Contemplamos nosso sonho ambicioso, nosso nobre conceito de vida. Pode parecer que não temos os talentos para realiza-lo - mas em vez de dizer como a raposa, que a coisa está além de nós e, portanto, é azeda de qualquer maneira, podemos ter a mesma técnica e saber como seria se fosse realizado. Como seria o sentimento se fosse (x coisa). Se eu puder contemplar como seria o sentimento se fosse o homem que eu quero ser, se você fosse a pessoa que você quer ser, e se alegrar com esse estado como se fosse verdade, estarei produzindo em mim a resposta emocional necessária para a semeadura. 

Eu poderia não ver uma colheita imediata. Talvez a coisa que eu estou dando agora a expressão sob a forma da semente é um carvalho, não um cogumelo pequeno que cresce durante a noite. Talvez o meu sonho demorasse um pouco mais de tempo entre o plantio e a ceifa, mas se eu souber que todas essas coisas são consistentes, "Vede os campos! O sésamo era sésamo, o milho era milho. E as trevas e o silencio por sempre o souberam! O destino do homem forja-se assim." Pois bem, se esse momento de resposta é o verdadeiro plantio da semente, e se era milho, deve ser milho quando aparecer na época da colheita, e eu posso então selecionar a natureza das coisas que eu quero encontrar no meu mundo. Posso tomar Neville não só como um homem, posso tomar primeiro o pedido do meu círculo, meu círculo íntimo, de um homem de família - os desejos de minha esposa por seu filho, por seu marido, por ela mesma - o desejo da criança mesma - e me mover para além do meu pequeno círculo de homem de família para o círculo de amizades, me mover além dos meus conhecidos, me mover ao meio de totais estranhos, estados impessoais, mas se eu sei que a lei é válida, não importa quando eu a operar, se eu o faço inconscientemente ou conscientemente, obtém-se resultados seja como for, e os resultados estarão em harmonia com o plantio, com a semente verdadeira. 

Então o que é a nossa semeadura hoje? Existem talvez dois mil estranhos aqui, temos dois mil pedidos singulares e diferentes, multiplicados por um grande número, porque temos pedidos para os outros, mas você pode hoje, enquanto está sentado aqui, verdadeiramente contemplar como seria se fosse verdade. Suponha que eu pudesse me voltar agora para um amigo e me alegrar com ele por causa de sua boa fortuna e realmente continuar uma conversa mental com ele a partir da premissa de que ele ou ela já realizou o sonho. Pois bem, como eu faço isso em minha imaginação, estou estabelecendo dentro de mim uma certa atitude alterada em relação a esse indivíduo. Estou produzindo dentro de mim uma certa resposta positiva, deliberada e emocional, e naquele momento que eu faço isso, é a semente. Vou encontrar esse indivíduo amanhã ou na próxima semana ou no próximo mês e ele vai dar testemunho daquilo que eu plantei agora.

Ele pode ser totalmente inconsciente que eu o plantei neste jardim. Não estou buscando o seu louvor, não estou buscando crédito - estou buscando resultados. Se eu vejo o homem tornar-se a encarnação do sucesso que eu sei que ele deseja e eu desejo para ele, isso é elogio suficiente, é o pagamento suficiente. Que outro pagamento alguém desejaria além dos resultados? Pois tudo é um presente. Por que eu pediria mais! Meu Pai me deu o jardim - tudo está em plena floração e me deu a escolha - o maior dom de todos, liberdade total de escolha da natureza do fruto que vou colher no meu mundo; mas eu não posso simplesmente entrar no jardim e começar a colher frutas - deve haver uma semente, mas devo sempre ter em mente que eu colherei aquilo em que não aportei trabalho algum. Eu não trabalhei para fazê-lo assim, simplesmente plantei, pois nesse momento de resposta estão contidos todos os planos, toda a energia necessária para desdobrar esse plano em um perfeito fato objetivo maravilhoso que eu, então, vou colher, tomando consciência dele como uma realidade externa, mas eu não trabalhei para fazê-lo assim. Simplesmente preciso saber que é assim. 

Então esse é o nosso privilégio, essa é a nossa escolha. Se você acredita nisso, não está maravilhado com o tipo de coisas que você plantou, com o tipo de semente que, em nossa ignorância, em nosso sono, permitimos que realmente se dispersasse em nosso mundo? Você vê alguns dizerem: "Mas por que Deus permite isso?" Você não pode conceber um Deus infinito que não seja infinito em todos os aspectos. Se eu fosse incapaz, na verdade incapaz de assumir, por exemplo, um estado desagradável, não poderia ser o filho de meu Pai, porque meu Pai é infinito, e se Ele fosse realmente incapaz de assumir qualquer estado, então Ele não seria Deus. Tudo está dentro de mim - mas tudo. Você não pode conceber algo que eu não contenha, a coisa mais horrível do mundo, se não fosse assim eu não poderia ser infinito e, portanto, não o filho do meu Pai infinito. Então Deus é infinito e nos deu tudo, mas Ele nos deu liberdade de escolha para que possamos nos tornar seletivos, discriminativos e trazer tudo o que é bonito fora desse jardim. Se eu pegasse um piano, as oitenta e oito notas do piano, e se eu pudesse extrair desse teclado toda discórdia, eu não teria um teclado de piano. Se eu derrubar uma discórdia e por causa disso me assustar ou perturbar, afetaria meus nervos; se eu pudesse agora riscar as notas que produzem a discórdia e depois continuar a extrai-las, eu removeria as oitenta e oito notas - não haveria notas sobrando em que eu pudesse tocar a harmonia de amanhã. Então vamos deixar as notas e aprender a arte de tocar o piano para que eu possa a partir das mesmas oitenta e oito notas trazer todas as harmonias do mundo. 

A mesma coisa é válida para o homem. Em vez de olhar para alguém e aceitar como final a evidência dos sentidos, como de alguém que trouxe para fora em seu próprio mundo, digamos uma doença, e tenta-se analisá-la desde o exterior. Quando eu peguei um vírus, quando eu entrei em contato com alguém que tinha um vírus  levaram meu sangue para exames de laboratório, tentando encontrá-la ai (a doença). Você nunca vai encontrá-la ai, apesar de toda a sabedoria do homem. Você a encontrará somente na consciência do indivíduo que, num momento agora há muito esquecido, plantou a coisa que está colhendo agora - e você não vai encontrá-la em qualquer análise externa, pois as coisas vistas nunca foram feitas de coisas que aparecem. Vocês são advertidos uma e outra vez em todos os livros da Bíblia, mas especialmente no capítulo 11 do Livro de Hebreus, que "aquilo que se vê não foi feito do que é aparente", mas ninguém acredita nisso. 

Ele insiste em encontrá-lo em coisas vistas, então ele extrai meu sangue, ele extrai um pequeno pedaço de minha pele, e começa a fazer uma análise disso, e vai me dizer sim, achei. Está no meu sangue. Não estou negando que ele o encontrou no meu sangue, mas por que está no meu sangue? Está no meu sangue ou em meu corpo, ou em meu mundo porque em algum ponto no tempo, eu, exercitando o direito como um filho livre de Deus, selecionei algum estado desagradável em relação a outro. Não precisa ser para mim mesmo; poderia ser para outro, em que eu me regozijei na dor de outro; onde a minha resposta emocional à notícia que ouvi foi "bom", então eu o rolei, mas quando aconteceu no meu mundo, eu não achei tão bom, mas foi a minha colheita - e todas essas coisas são a colheita de coisas que você e eu plantamos; pois todas as coisas rolam metodicamente. Não se surpreenda com a subitaneidade em nosso mundo - alguém fica doente - é apenas repentino porque nos esquecemos, e a memória do homem é muito, muito curta. 

Você conhece aquele lindo poema de George Meredith: 

Esquecimento é terra verde; 
Somente os deuses recordam eternamente; eles atacam impiedosamente, e sempre em equivalência. 
Pelas suas grandes memórias Os Deuses são conhecidos. 

Se o homem só pudesse se lembrar desses momentos de semeadura, jamais se surpreenderia quando a colheita aparecer em seu mundo. Mas ele não tem memória do momento no tempo em que ele deixou cair aquela semente, que foi simplesmente a resposta emocional a algo que ele contemplava, algo que ele ouviu, algo que ele observou. Naquele momento a coisa foi feita. Ele não teve que trabalhar para trazê-lo a colheita, simplesmente o encontrou como algo já crescido, então colhe agora aquilo em que não fez trabalho nenhum, fora escolher. Ele escolheu pela própria atitude, pela reação. 

Pois bem, sou responsável pelos outros em meu mundo? Certamente sou! Quando uso minha pequena mente, minha pequena imaginação penso "é minha, meu Pai me deu, simplesmente posso usá-la mal, não vai machucar outrem". Eu lhe digo que você tem que controlar ela mais pela simples razão de eu estar enraizado em você e você estar enraizado em todos e todos estarmos enraizados em Deus. Não há um indivíduo isolado no Reino do meu Pai. Nós somos um. Sou completamente responsável pelo uso ou mau uso da minha imaginação. 

Você se lembra de ter visto na TV uma versão dramatizada do naufrágio do Titanic? Você se lembra disso? Você leu o livro "Uma noite para recordar"? Bem, o livro é de Walter Lord: mas 14 anos antes da colheita real, aquele evento pavoroso do naufrágio do Titanic, o homem na Inglaterra escreveu um livro. Ele concebeu este fabuloso transatlântico e o construiu como o Titanic, (só que o Titanic foi construído 14 anos depois), mas ele, em sua imaginação, concebeu um navio de 800 pés. Era de três hélices, carregava 3000 passageiros, levando poucos barcos salva-vidas pois era insubmergível; podia fazer 24 nós; e então uma noite ele o encheu até a borda com pessoas ricas e complacentes, e numa noite fria de inverno o afundou contra um iceberg no Atlântico. 14 anos depois, a White Star Line construiu um navio. Era de 800 pés, três hélices, podia fazer 24 nós, transportava 3000 passageiros, não tinha bastantes barcos salva-vidas para os passageiros, também foi rotulado  de insubmergível. Lotado de ricos, se não complacentes, mas ricos, porque sua lista de passageiros valia naquele dia, quando o dólar era de cem centavos, duzentos e cinqüenta milhões de dólares. Hoje seria um bilhão de dólares. Toda a riqueza da Europa e as riquezas deste país estavam navegando nessa viagem inaugural desde Southampton. Cinco noites no mar neste glorioso e maravilhoso navio, e ele acabou em uma noite fria de abril contra um iceberg. 

Então o homem escreveu um livro ou para desabafar pois não gostava dos ricos e dos complacentes, ou pensava que poderia vender ou que este era o meio de faturar como escritor. Mas qualquer que fosse o motivo por trás do seu livro que, aliás, ele chamou de "Futilidade" para mostrar a futilidade total da riqueza acumulada, um navio idêntico foi construído 14 anos mais tarde, transportou o mesmo tipo de passageiros e acabou da mesma maneira que o navio fictício. 

Existe alguma ficção? Não há ficção! O mundo de amanhã é a ficção de hoje. O mundo de hoje era a ficção do passado - os sonhos dos homens de outrora. Não seria maravilhoso se eu pudesse falar com alguém através do espaço e apenas usar um fio? E eu não podia vê-lo: seria uma milha de distância além do alcance da minha voz - talvez cinco milhas e talvez mil milhas - sonhos fantásticos - mas eles se tornaram realidade. Quando eles se tornassem realidade, suponhamos que eu pudesse fazê-lo sem o meio de um arame. E isso se tornou realidade. Suponha que agora eu poderia fazer isso não apenas em um sentido de áudio, mas em um sentido de vídeo. Suponha que eu possa ser visto? E isso se tornou realidade, mas quando eles foram concebidos, eles eram todos fictícios, todos irreais. 

Não há nada de irreal, porque Deus é infinito, e Deus terminou a criação. Você não pode conceber algo que o Pai não tenha feito e concebido, elaborado em detalhes, em todas as suas ramificações. Você e eu estamos apenas tomando consciência de partes crescentes daquilo que já é. Não estamos fazendo nada - estamos descobrindo o maravilhoso mundo de Deus. Mas agora, nesta igreja - pelo menos aqui isso deve ser feito, pois esta é uma igreja da mente: esta é a Ciência da Mente, onde há uma ciência para plantar e você faz isso de uma certa maneira científica. Você simplesmente não anda na rua a refletir; ler os jornais e refletir - você sai daqui como uma pessoa mais positiva do que as pessoas que se reúnem em áreas semelhantes, pela simples razão que eles vão apenas para ouvir um serviço e ser informados de quanto o mundo é ruim. 

Você não está vindo aqui para ouvir o quão ruim é o mundo, pois se você acredita que é ruim, há algo que você deve fazer sobre isso porque você plantou o mundo. Você tem sua semente. Então, aqui as pessoas se reúnem para ser informadas sobre como operar este dom maravilhoso que o Pai lhes deu. Há esta mente maravilhosa e a imaginação. Então você é dito para sair e ser exigente em sua seleção; destacar esse aspecto da realidade ao qual você quer responder, sucesso, saúde, dignidade, nobreza, algo maravilhoso com que você contribui para o bem do mundo. Enquanto você percorre o caminho, está contribuindo para a sociedade, contribuindo para a comunidade em que vive, não necessariamente dando dólares, mas contribuindo com a sua maravilhosa semente. Se, na sua comunidade, você vê talvez a necessidade de uma igreja, vê a necessidade de alguma escola maravilhosa, não espera as pessoas se reunirem, você realmente na sua mente contempla a alegria que é sua por causa da escola maravilhosa aqui para as crianças, uma igreja maravilhosa aqui para levantar o homem espiritualmente, e você quer saber como seria se fosse verdade;  sente a emoção de testemunhá-lo dentro. Isso é semeadura. Então, de uma maneira que você não conhece e não precisa trabalhar para produzir, encontrará essa escola e aquela igreja e essas coisas adoráveis em sua comunidade. 

Então você planta a semente e deixa que os outros, que pensam que estão trazendo isto para ser, pensem assim. Você vai por este mundo plantando o bem - é por isso que você está aqui. Estamos reunidos aqui nas manhãs de domingo para descobrir cada vez mais sobre este dom maravilhoso que Deus nos deu, para que possamos conhecer todas as coisas bonitas do mundo e trazê-las a nascer em nosso mundo. 

Esta manhã você não só não toma a si mesmo. Comece consigo, e então vire-se na mente para um amigo, e felicite-o pela sua boa sorte - felicite-o pela sua expansão em seu mundo e sinta a emoção de tal contato. Nesse momento de resposta isso será uma mudança de atitude em relação a esse amigo - nesse momento você semeia. Então, de uma maneira que você não conhece e não precisa saber, essa semente irá pela via oculta normal e natural e aparecerá como uma realidade em seu mundo. E assim você vai saber o poder latente dentro de você e vai parar de refletir a vida e se tornar um que eu chamo de verdadeiro criador no sentido que eu lhe dou: que alguém que está criando através de sábia escolha as coisas bonitas do mundo para lhes dar expressão neste nosso mundo. 

Então é isso que eu quero dizer com semeadura e colheita. A importância da atitude correta: e você pode fazê-lo, você não precisa esperar pelas circunstâncias para mudar, você não precisa esperar o estímulo de uma mudança no objeto para produzir em si a mudança de atitude. Em seu escritório, o patrão age de maneira rude em relação a você? Bem, então o que seria se ele agora visse em mim a dama, a pessoa útil que realmente sou, ou quer ser? Suponha que ele vê em mim alguém a quem possa elogiar pelo trabalho e elevar no mundo salarial, e dando um aumento de salário por causa do meu esforço adicional. Suponha que ele pudesse ver isso em mim. Bem, contemple o chefe como se ele visse isso em você e recompensando você com um aumento. 

Esse momento é o momento do plantio. Pode não vir esta noite, pode nem mesmo vir esta semana no contracheque, mas virá. Você simplesmente continue plantando  coisas adoráveis. Exceto se todos os dias, quando sai do escritório, você diz "mas que sovina", e vai para casa e conversa este assunto com sua mãe ou seu marido ou outra pessoa, e eles simpatizam pois eles realmente acreditam em você, posto que eles estão representando a mesma abordagem reflexiva e negativa à vida. Mas se, enquanto viaja ou caminha para casa, anda na atitude de que ele o fez - ele aumentou sua renda, elogiou seu trabalho e, dia após dia, apesar de outras coisas em contrário, você persiste, você sabe que ele vai fazer isso? Você produzirá nele a mudança de coração, porque primeiro a produziu em você mesmo, e ele verá em você qualidades que ele não pode agora ver, e então todo o seu vasto mundo começará florescer - você fará isso em todos os sentidos da palavra. Conhece alguém solitário nesse mundo, alguém que realmente deveria estar felizmente casado? Como seria se você fosse informado, não pelo indivíduo necessariamente, mas por um terceiro das boas novas a respeito de João, a respeito de Maria ou de outra pessoa? Alguém desejoso de uma casa encantadora e agradável. Como seria? Não seja invejoso. Tente se alegrar. Sinta a alegria que é deles, e esse momento é a semente para eles. Eles vão colhê-lo. E essa é a nossa oportunidade de percorrer o mundo plantando, e plantando sabiamente. 

Infelizmente, muitos de nós nos movimentos das igrejas - acho que nesta não - temos uma atitude muito séria em relação à vida. E, claro, a atitude básica é a atitude em relação à vida, não necessariamente a atitude individual em relação a um objeto ou a um indivíduo, mas a atitude em si que o indivíduo adota através da vida, diante da vida, e é muito séria. Bem, Orage muito sábia e humoristicamente disse que a atitude séria é esta: eles realmente acreditam que Deus tem uma enorme luta contra a adversidade sem remédio, e disse que produz no indivíduo a emoção de "ajudar o pobre Pai". Eles vão ajudar o pobre Pai que criou o mundo e deu-o aos seus filhos. 

Agora ele mencionou outro ponto interessante da atitude científica em relação à vida. Tendo descoberto a pequena molécula ou o pequeno átomo e a construção maravilhosa, isto é, teoricamente - tendo descoberto esta maravilhosa construção ordenada dos tijolos que compõem o mundo, sua atitude é de insignificância ordenada porque acreditam que o mundo está se queimando gradualmente. Assim que por isso, não importa o quão ordenado é, se eles realmente acreditam que o Sol acabará por se extinguir e a Terra irá consumir todos os seus recursos, que outra atitude eles podem adotar do que disfarçar tudo com "não ter onde ir" porque se eventualmente tudo irá parar em nada de qualquer jeito, não importa o quão ordenado esteja hoje, só poderia ser insignificantemente ordenado. Mas eu lhe digo, como alguém que viu além do véu: não há tal coisa como chegar ao fim. A vida é para sempre e para sempre e para sempre - e para sempre você está se movendo nesta peregrinação eterna que revela as glórias infinitas do seu Pai. 

Então saia sabiamente hoje - saia determinado a se tornar mais seletivo, mais discreto na sua escolha de idéias que vai hospedar e selecione aquela que irá abençoar um indivíduo e produzir no mundo dele a resposta emocional que você testemunhou nesse estado por si mesmo, e saber que naquele momento de resposta, você plantou para aquele indivíduo, e ele está enraizado em você, não há tal coisa como que ele não se acha em seu mundo, pois ele está enraizado em você. Todo mundo está enraizado em você - portanto, você não vai perdê-los. É plantado em relação a esse ser e ele ira colher, e você saberá da colheita quando aparecer em seu mundo. Você planta simplesmente e deixa a colheita tomar cuidado de si. 

Agora meu tempo acabou.

Neville Goddard, 10 de junho de 1956.

Traduzido por Cláudio Bianchi
Todos os direitos reservados
Proibido o uso comercial
Em Facebook: http://www.facebook.com/nevillebrasil

4 comentários:

  1. Mais um texto incrível... Gratidão!

    ResponderExcluir
  2. Bom dia, pode me orientar sobre onde adquirir os livros em português?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. David, que eu saiba, nao há livros em portugues.

      Excluir
  3. Que texto maravilhoso de Neville. Que material rico você tem! Obrigada por compartilhar

    ResponderExcluir